19 outubro, 2009

Comboio de Cordas


Pois é, povo. Hoje serei um bocado egocentrista. Depois de um fim de semana compretamente zicado e onde só aumentaram meus problemas amorosos e minha baixa estima subiu, finalmente um dia bom! VIVA!!!
Hoje consegui fazer tudo o que eu precisava. Acordei num horário bom, treinei, estudei, mexi no bagulho da inscrição do Proac, não fumei (tá fumei 2 cigarros) e lá fui eu pra uma reunião de uma das cosias mais legais que fui convidado.
Vamos do começo. Meu amigo Léo Costa me convidou, por intermédio e indicação do Ruy e do Chico pra um projeto muito bacana. O Comboio de Cordas conta com um grupo de 10 violonistas (pra começar) que estão preocupados em simplesmente tocar suas músicas ou seu violão da forma que mais lhe agradar. Ou seja, sem rótulos, sem necessidades de agradar e tal, apenas faremos nossa música. Parece bobo né? Mas pergunte pra qualquer músico quantas vezes ele teve que tocar músicas que já tá de saco cheio ou que simplesmente não gosta só porque alguém que tá no lugar gosta. Ou quantas vezes um violonista tocou uma peça mó legal e vem um cabôco e fala: toca uma coisa animada!
Enfim, isso não vem ao caso. De prima aceitei o convite por ter vindo de um amigo e de um músico que respeito e admiro. Toquei pouco com o Léo, mas escutei algumas vezes o trabalho dele. Qual não foi minha surpresa quando recebi os nomes dos outros envolvidos. E hoje encontrei quase todos eles nessa reunião. Zé Barbeiro, Ruy Weber, Daniel Murray, Chico Saraiva, Kiko (do quarteto Pererê)... Só fera! E eu lá perdido no bolo. Fiquei muito feliz em fazer parte desse seleto grupo e muito mais feliz em perceber o quanto esses meus professores e porque não dizer, ídolos respeitam meu trabalho. Quando eu disse que não me achava um compositor e sim, um músico que as vezes compõe, a variedade de caretas e desaprovação para a minha frase foi algo que, em outros casos me deixaria bem chateado, mas não hoje. Não lá! O Kiko disse: Você é sim um compositor! Quando olhei pro lado o Chico só acenou que sim com a cabeça. Ganhei a noite com a aprovação desses caras. Todos eles! Conversamos sobre nossos começos, sobre violão, estilos de composição e tudo mais. Foi muito bom ouvir e contar. Nasce o Comboio de Cordas. Com seu primeiro concerto no dia 03/11. Nossos idealizadores Léo e Muari abrirão o ciclo de concertos onde teremos além deles, o quarteto Pererê, o Cau, o Zé e fechando esse primeiro mês eu e o grande amigo Alê Cueva.
Eu fico muito feliz e me sinto mesmo, muito honrado por fazer parte desse grupo, dessa idéia e ter ao meu lado, mais que grandes violonistas, e sim grandes amigos. Mas a maior alegria é perceber a admiração mútua entre todos os integrantes desse comboio. O mais interessante é que faremos os shows num espaço dirigido à educação. Ou seja, usaremos o violão não só como o transportador das nossas idéias musicais, mas tb da nossa paixão e da cultura. Os concertos terão bate-papo com a platéia e tal. Promover a cultura e educação através da música. Vamo que vamo! Tem tudo pra dar certo e como disse o Léo antes de começarmos a reunião: O comboio já é um sucesso só pelo time reunido.
Cheguei em casa e resolvi que tinha que colocar isso em algum lugar, se bem que não dá pra colocar em palavras a alegria e o orgulho que estou sentindo nesse momento.
Espero vocês nos concertos que com certeza serão todos muito bons.