19 agosto, 2009

Músicas: Aquela conversa que a gente não teve... (Marcelo Fortuna)


Essa música é muito especial. Parece que ela me escolheu e não o contrário. Xerentando na internet, entrei no site do meu amigo Marcelo Fortuna e tinham algumas composições dele pra violão, mas nenhuma do site me chamou muita atenção pra colocar no repertório assim de cara, então resolvi pedir mais algumas pra ele. Qual não foi minha surpresa quando abro meu mail e tinha um e-mail dele. Junto havia um arquivo compactado. Quando descompactei o maluco tinha me mandado umas 40 músicas! Só pensei comigo: Esse cara é maluco!
Fui olhando e lendo uns pedacinhos. Essa eu gostei do nome e de pronto imprimi. Quando comecei a ler direito, fui me envolvendo com a música. Resolvi que ia gravá-la e dedicar ao meu avô que se encantou meses antes e a um amigo que foi o responsável por hoje eu ser músico profissional. Ele me colocou no palco pela primeira vez pra acompanhá-lo. Devo muito ao Ney Mesquita, que tb se encantou. Uma mudancinha aqui, outra ali, a idéia da percussão só no final e o surdo fúnebre pra simbolizar essas duas pessoas queridas que se foram. Mandei a música pro Marcelo escutar. Dias de tensão se passaram esperando a resposta. Era a primeira vez que eu mudava alguma coisa em uma música sem pedir licensa ao autor. Pra meu alívio ele adorou e contou que essa música ele fez pouco depois do pai dele ter se encantado. Por isso a música não tinha fim. Porque faltaram muitas conversar que eles não tiveram. E a mesma sensação eu tive ao lembrar do meu avô e do Ney. Que coisa louca né? Fiquei muito contente com as palavras de encorajamento do Marcelo e hoje acredito que o Sr. Fortuna (pai dele), Sr. José (meu avô) e Ney Mesquita estão lá em cima olhando por nós dois que nos tornamos mais amigos ainda e torcendo por nós. Um abraço, Marcelo!

Encantar-se: em algumas culturas, como os índios daqui, não se fala em morte, mas em encantamento. A pessoa não morre, se encanta e permanece viva nas forças da natureza.

Um comentário:

Aiara disse...

Dando esse nome o evento até se torna menos triste...e essa percurssão que surge no fim da música também corta um pouco da melancolia que a música transborda... =)...fica repetitivo eu dizer mais uma vez que a música é linda?!? rs...