28 maio, 2009

Momento cultural I

Enquanto eu não termino mais um textinho bacana, coloco aqui o mail do meu amigo lusitano Joaquim Evonio, que julgo ser não só curioso, mas tb de utilidade pública. Pra quem não conhece, o Joaquim é um grande poeta e um amante da nossa língua-mãe (esse hífen caiu? Ainda não me habituei). Ele tem um site muito bacana que é a Varanda das Estrelícias. Um verdadeiro defensor da bandeira lusofônica! Um grande abraço, Joaquim!

Vocês sabem o que é um PALÍNDROMO? Não? Mas é simples!
Um palíndromo é uma palavra ou um número que se lê da mesma maneira nos dois sentidos, normalmente, da esquerda para a direita e ao contrário.
Exemplos: OVO, OSSO, RADAR. O mesmo se aplica às frases, embora a coincidência seja tanto mais difícil de conseguir quanto maior a frase; é o caso do conhecido: SOCORRAM-ME, SUBI NO ONIBUS EM MARROCOS.
Diante do interesse pelo assunto (confesse! Já leu a frase ao contrário!), tomei a liberdade de seleccionar alguns palíndromos da língua de Camões...

ANOTARAM A DATA DA MARATONA
ASSIM A AIA IA A MISSA
A DIVA EM ARGEL ALEGRA-ME A VIDA
A DROGA DA GORDA
A MALA NADA NA LAMA
A TORRE DA DERROTA
LUZA ROCELINA, A NAMORADA DO MANUEL, LEU NA MODA DA ROMANA: ANIL É COR AZUL (essa é foda!)
O CÉU SUECO
O GALO AMA O LAGO
O LOBO AMA O BOLO
O ROMANO ACATA AMORES A DAMAS AMADAS E ROMA ATACA O NAMORO
RIR, O BREVE VERBO RIR
A CARA RAJADA DA JARARACA
SAIRAM O TIO E OITO MARIAS
ZÉ DE LIMA: RUA LAURA, MIL E DEZ

ISTO É QUE É CULTURA! (Essa num é! hahaha)

E já agora, sabem o que é tautologia?
É o termo usado para definir um dos vícios de linguagem. Consiste na repetição de uma ideia, de maneira viciada, com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido.
O exemplo clássico é o famoso 'subir para cima' ou o 'descer para baixo'. Será que é diferente do nosso querido pleonasmo? Joaquim, se vir esse post, me explique a diferença, caso exista! Mas há outros, como pode ver na lista a seguir:

elo de ligação (se é um elo...)
acabamento final (é difícil dar o acabamento no começo)
certeza absoluta (Só sei que nada sei)
nos dias 8, 9 e 10, inclusive (não! dias 8, 9 e 10, mas dia 10, não!)
juntamente com (há controvérsias)
expressamente proibido (fala isso pros polícias)
em duas metades iguais (a terceira metade é que interessa!)
sintomas indicativos (uia!)
há anos atrás (Será?)
vereador da cidade (essa eu preciso falar pra saber se o cara é vereador, senador ou "sei-lá-o-que-a-dor")
outra alternativa
detalhes minuciosos (bobagens, meu filho...)
a razão é porque (por causa que eu quero que seje! patz)
anexo junto à carta (pois então...)
de sua livre escolha (viva o livre arbítrio!)
superávit positivo (ai ai)
todos foram unânimes (e ambos os dois tb!)
conviver junto (quase um casamento)
facto real (Arrá! Essa consoante muda caiu que eu sei!)
encarar de frente (e se o cara tiver cara de bunda?)
multidão de pessoas (essa eu nem tinha percebido)
amanhecer o dia (bom dia duendes!)
criação nova (é... pode ser)
retornar de novo (parece frase de jogador de futebol)
empréstimo temporário (porque num pede de uma vez?)
surpresa inesperada (que susto!)
escolha opcional (pelamor!)
planejar antecipadamente (eu acho melhor planejar depois, assim vc sabe exatamente o que aconteceu.)
abertura inaugural (tem a ver com virgindade?)
continua a permanecer (sim, continua...)
a última versão definitiva (ah isso num é figura de linguagem. Trabalhem com criação e computação gráfica. Nunca a última versão é definitiva!)
possivelmente poderá ocorrer (Se pá...)
comparecer em pessoa (manda uma foto!)
gritar bem alto (depende de quem ouve)
demasiadamente excessivo (no popular: é coisa pra caralho!)
a seu critério pessoal (particularmente eu, me permito...)
exceder em muito (mas tem que ser muito mesmo)

Note que todas essas repetições são dispensáveis. Por exemplo, 'surpresa inesperada'. Existe alguma surpresa esperada? É óbvio que não. Devemos evitar o uso das repetições desnecessárias. Fique atento às expressões que utiliza no seu dia-a-dia. Os comentários foram adicionados por mim, por isso são toscos! hahaha

Gostou?
Mande para os amigos amantes da língua portuguesa

06 maio, 2009

Coisas que acontecem por aqui...

Hoje não falarei de futebol. Embora devesse, pois o glorioso aprontou de novo uma falseta, mas como bom apaixonado que sou, em breve colocarei um texto falando do amor ao Botafogo e o orgulho de ser alvinegro mesmo depois de tanta porrada. Também não falarei de política. Mesmo porque não me interessa isso. Só vejo o horário político as vezes porque a Soninha é uma gracinha. Chamem do que for, política pra mim é uma bosta e aquilo ali num tem jeito não. Tem que explodir e começar de novo. Tem gente que fala isso das favelas, mas acho que tem que explodir mesmo é o congresso.
Vamos pra outro assunto mais polêmico que as pessoas falam que não se discute: Religião. Pra ser mais exato, o que me incomoda não é o pessoal que tem tal religião, mas sim os que acham que a sua é a mais certa e a dos outros é errada. To falando do povinho da Renascer! Essa merda que nem o teto deles aguentou tanta barulheira e confusão. Aliás, existe um abaixo-assinado aqui no bairro pra essa porcaria de igreja barulhenta não voltar mais pra cá! Deixem o Cambuci em paz! Lá atrás, aqui mesmo nesse blogue eu escrevi um negocio falando do quanto eles são malas. O link é esse. E recentemente eles foram malas ao quadrado! Vamos aos fatos:
Estava eu sossegado aqui na portaria do prédio onde moro vendo o tempo passar, fumando um cigarro. Era por volta de 22:00. Eis que vem um bando de gente. Tá... num era um baaaando, eram umas 6 pessoas. Nem me abalei. Chegam perto de mim e me dão boa noite. Eu educadamente respondo. E eles:
- Está esperando o ônibus?
- Não. Estou apenas olhando a rua e vendo o tempo passar.
- Viemos orar por você!
- Fiquem à vontade.
- Você tem que levantar, ore conosco.
Puta que pariu! Será que o ser humano não pode mais nem ficar sentado à porta de sua casa como nossos avós faziam? Quem aqui pediu por oração? Eu chamei eles? Eu dei tchau? Ah, vão procurar o que fazer! Antes de começar a ladainha eles se apresentaram e foi aí que eu comecei a sacanear pra ver se eles iam embora logo.
Começaram com eu sou fulana, esse é sei lá quem... E daí vem a pérola:
- Sabe quem é esse irmão?
E eu:
- Claro que não. Nunca vi.
- Esse irmão era dançarino do tchan.
- Nossa e vc não tem vergonha?
- Pra você ver que Jesus cura tudo! Hoje ele não consegue nem rebolar. Ele saiu dessa vida e entrou para o reino do senhor Jesus! Amém!
Detalhe que eles falaram uns 12 améns em menos de 10 minutos. E eu emendei:
- Nossa, cara, você conseguiu não evoluir nada? Que merda!
Conversa vai, conversa vem, eles me convencem a levantar e dá-lhe outra pérola:
- Irmão, você entrega seu coração ao senhor Jesus?
- NÃO! Claro que não!
- Como não?
- Cê tá doida? Coração é importante e só tenho um! Se ele quiser um pulmão (se bem que moro em Sampa, o pulmão num deve estar legal) ou um rim, beleza! Aliás, meus rins estão a ponto de bala! Com tanta cerveja que passa lá, jamais terá uma pedra! Serve um rim?
Dá-lhe mais ladainha sobre o tal senhor Jesus e coisa e tal... E eles insistiram em rezar. Só falei: dá pra acender um cigarro antes?
Na minha caixinha tem um desenho de gosto duvidoso de algo que era pra ser uma versão de pomba-gira. Claro que eles não entenderam a mensagem sub-liminar (esse hífen caiu?). Ah! No meio do processo o Saulo ligou! Pensei: Perfeito! Pedi pra atender o tel que era um amigo muito importante. Atendi, falei com ele, combinamos de ir pro bar e os desgraçados esperaram a pé firme! Cacete! Esse povo faz curso pra ser chato.
Depois disso nada mais interessante aconteceu. Só no final que eu perguntei pra eles se em algum momento eles sabiam se eu tinha alguma religião. Se haviam ao menos perguntado isso antes de vomitar toda aquela história. Óbvio que não. Eles responderam: Não precisamos perguntar, porque o verdadeiro salvador é único.
Aí sim eu mandei à merda. Ser chato, beleza, mas ser ignorante e mal educado, aí tb não.
Enfim... cada dia tenho mais raiva desse pessoalzinho. E o pior é que o coitado do Deus, Jesus... chamem como for! O Coitado não tem culpa de nada!
Nem depois de morrer, ressucitar e sei lá mais o que o cidadão tem paz.
Ô POVO CHATO!