28 abril, 2009

10 Dúvidas sobre a cerveja.

Durante alguns anos, nós amantes desse delicioso líquido de coloração amarelada, espuma sólida e de sabor amargo mas muito refrescante estamos vendo nossa querida cerveja ser culpada por muitos deslizes que devem ser creditados única e exclusivamente ao próprio ser humano. Esse monstro que acaba com nosso planeta e normalmente as cagadas mais homéricas são feitas por monstros que, não contentes em fazerem merdas ainda filam nossa cerveja e nosso cigarro. E aínda colocam a culpa de tudo na loirinha! Um absurdo. Percebendo isso, fizemos uma pesquisa científica com dados REAIS!
Foram levantadas 10 questões de extrema relevância:
1. A cerveja mata?
2. O uso contínuo do álcool pode levar ao uso de drogas mais pesadas?
3. Cerveja causa dependência psicológica?
4. Mulheres grávidas podem beber cerveja sem risco?
5. A cerveja pode alterar os reflexos dos motoristas?
6. Cerveja envelhece?
7. A cerveja atrapalha o rendimento escolar?
8. O que faz com que a cerveja chegue aos adolescentes?
9. A cerveja engorda?
10. A cerveja causa diminuição da memória?

Algumas verdades que nós, amantes da loirinha, fazíamos questão de não ver, são a pura verdade, como vcs poderão ver no nosso primeiro resultado apresentado:
1. A CERVEJA MATA?
Sim. Sobretudo se a pessoa for atingida por uma caixa de cerveja com garrafas cheias. Anos atrás, um rapaz, ao passar pela rua, foi atingido por uma caixa de cerveja que caiu de um caminhão levando-o a morte instantânea.
A lenda que a cerveja é o primeiro passo para o uso das drogas também caiu com nosso estudo:
2. O USO CONTINUO DO ALCOOL PODE LEVAR AO USO DE DROGAS MAIS PESADAS?
Não. O álcool é a mais pesada das drogas: uma garrafa de cerveja pesa cerca de 900 gramas.
Mais um tabu que foi por água abaixo!
3. CERVEJA CAUSA DEPENDÊNCIA PSICOLÓGICA?
Óbvio que não! 89,7% dos psicólogos e psicanalistas entrevistados preferem uísque.
Sobre mulheres grávidas!
4. MULHERES GRÁVIDAS PODEM BEBER SEM RISCO?
Sim. Está provado que nas blitz a polícia nunca pede o teste do bafômetro pras gestantes. E se elas tiverem que fazer o teste de andar em linha reta, sempre podem atribuir o desequilíbrio ao peso da barriga.
Essa foi polêmica! Mas comprovamos com testes científicos e nunca antes realizados (sim! somos pioneiros) que é mais uma mentira que nos é contada desde criança!
5. CERVEJA PODE ALTERAR OS REFLEXOS DOS MOTORISTAS?
Não. Nossa experiência foi feita com mais de 500 motoristas: foi dada uma caixa de cerveja para cada um beber e, em seguida, foram colocados um por um diante do espelho. Em nenhum dos casos, os reflexos foram alterados. MITO!
Essa as mulheres não gostaram.
6. A CERVEJA ENVELHECE?
Sim. A cerveja envelhece muito rápido. Para se ter uma idéia, se você deixar uma garrafa ou lata de cerveja aberta ela perderá o seu sabor em aproximadamente quinze minutos.
Esse foi fácil de comprovar, mas também era um tabu que nos incomodava muito.
7. A CERVEJA ATRAPALHA O RENDIMENTO ESCOLAR?
Não, pelo contrário. Alguns donos de faculdade estão aumentando seu rendimento com a venda de cerveja nas cantinas e bares na esquina.
Essa pesquisa foi feita de uma forma muito antiga. É a amostragem. O resultado é surpreendente!
8. O QUE FAZ COM QUE A BEBIDA CHEGUE AOS ADOLESCENTES?
Inúmeras pesquisas vinham sendo feitas por laboratórios de renome, inclusive o nosso, e todas indicam, em primeiríssimo lugar, o garçom.
Uma dúvida levantada pelas mulheres.
9. CERVEJA ENGORDA?
Não. Quem engorda é você.
E por último, a coisa que mais ouvimos quando estamos contando um causo e esquecemos no meio. Na maioria das vezes o raciocínio ou o fio condutor é cortado por aquele filho da puta que falei acima que vem perguntar se vc tem um cigarro, sendo que ele resolveu que vai fumar mas nunca resolve comprar uma carteira de cigarro.
10. A CERVEJA CAUSA DIMINUIÇÃO DA MEMÓRIA?
Cara! Já falei que não tenho cigarro pra você! Vai comprar o seu que tu fumou minha carteira toda!
Desculpem, voltando à pergunta... Que eu me lembre,
não.

É a ciência em prol da justiça. Em breve será feita uma sobre o cigarro para ver que essa nova lei é outra piada. Porque eles não fazem algo que preste? tipo... alguma coisa para prevenir os desastres com as chuvas que todo mundo sabe que acontece no fim do ano e em Março. E pra ajudar ainda mais, tem um sujeito no Rio de Janeiro que acha que colocando um muro, as favelas param de crescer. To vendo o dia que ele colocará uma plaquinha de "LOTADO" do lado de fora.

27 abril, 2009

Feijoada com "novidades"

Gentes! Um domingo lindo aconteceu na minha vida. Tá podia ter sido perfeito se aquele imbecil não tivesse jogado a bola pra dentro do próprio gol (de novo) no final do jogo do Botafogo contra o Flamengo, mas isso é outra coisa.
A convite de uma amiga que eu adoro muito, mas muito mesmo, fui até o terreiro que ela vai, para participar de uma feijoada (que estava excelente, aliás) em homenagem a Ogum e de quebra ainda rolou um samba com a Velha Guarda do Vai-Vai. Tem tudo pra ser ótimo né? Mas como nem tudo que a gente pensa, acontece, o dia foi muito mais que maravilhoso. A feijoada não dá pra resumir, só posso falar que estava perfeita. O samba divertido, ainda de quebra conhecer a rapaziada da vai-vai que são muito bacanas ainda tive a honra de conhecer a mãe e a avó dela. Que pessoas lindas! Só podia dar no que deu, né?
O clima do lugar, as novas coisas e as histórias que escutei da galera, bons papos, cervejinha que demorou a gelar, mas valeu esperar. Logicamente passei a tarde toda na roda, cantando e tocando. Quando o jogo começou, deu pra tocar umas coisas mais maneiras e mais tranquilas, daí chamamos todo mundo pra fora de novo com mais samba. Acho que cometi uma gafe com o cigarro, mas eu vi outras pessoas fumando, juro! Enfim. DEpois de muuuuuuito tempo sem ir a um terreiro, voltei e foi muito bom. Não teve trabalho, mas a energia tava lá, claro! E quando subi pra ver o lugar dos trabalhos, propriamente dito, senti de novo aquele arrepiozinho gostoso de saber que tem mais gente ali conosco. Ô coisa boa! Foi lindo mesmo. Não sei se a Mari percebeu o quanto eu gostei de verdade. Nunca fui muito bom pra "mostrar" essas coisas, mas eu adorei mesmo. Nem vou falar nada sobre o casamento, porque isso vai tirar o foco do que eu quero deixar registrado aqui. Mas depois conto melhor essa.
Só tem um jeito de terminar esse post.
Mari! Muito, mas muito obrigado mesmo pelo convite! Agora quero abusar de vc e ir tb numa quarta-feira.
Te adoro muito, minha princesa (mesmo sem ver nada ainda) :0)

06 abril, 2009

Receita para a páscoa

Eu fiz! Muito bom!

Receita: BACALHAU COM CERVEJA

Ingredientes:
1 bacalhau, azeite, pimentão, alho, cebola, batatas, sal, cerveja, premiere futebol clube e mulher

Modo de preparo:
Ponha a mulher na cozinha com os ingredientes e feche a porta. Tome cerveja durante duas horas enquanto assiste o premiere futebol clube e depois peça para ser servido.
É uma delícia e quase não dá trabalho!!!

Uma mulher chamada violão!

A obra de Vinícius de Moraes sempre me tocou e sublinhou minha vida. Viviane que o diga, né Vi? Mas esse aí foi fantástico. O mais fantástico foi ele chegar aos meus olhos hoje. Logo depois de ontem que eu peguei aquela chuvarada e estava com meu violão, com minha esposa. Tive como abrigo um orelhão e depois um ponto de ônibus cheio de gente. Abracei ela dentro da capa impermeável e a protegi da chuva. Quando cheguei no bar onde ia, estava completamente encharcado, mas ela, minha amada (uma das 3, e logo virá a quarta) estava intacta. Sem frio, sem água e com muito carinho. Na hora de tocar, panos nas pernas para que ela não se resfriasse. Eu? Ah eu estava no paraíso, todo molhado, mas escutando o lindo som que ela me brinda sempre quando eu preciso. Peço perdão ao Chico Buarque, mas meu melhor amigo é meu violão? Até pode ser, mas eu digo que o meu grande amor são meus violões!


UMA MULHER CHAMADA GUITARRA (Vinicius de Moraes)

Um dia, casualmente, eu disse a um amigo que a guitarra, ou violão, era "a música em forma de mulher". A frase o encantou e ele a andou espalhando como se ela constituísse o que os franceses chamam un mot d'esprit. Pesa-me ponderar que ela não quer ser nada disso; é, melhor, a pura verdade dos fatos.
O violão é não só a música (com todas as suas possibilidades orquestrais latentes) em forma de mulher, como, de todos os instrumentos musicais que se inspiram na forma feminina - viola, violino, bandolim, violoncelo, contrabaixo - o único que representa a mulher ideal: nem grande, nem pequena; de pescoço alongado, ombros redondos e suaves, cintura fina e ancas plenas; cultivada mas sem jactância; relutante em exibir-se, a não ser pela mão daquele a quem ama; atenta e obediente ao seu amado, mas sem perda de caráter e dignidade; e, na intimidade, terna, sábia e apaixonada. Há mulheres-violino, mulheres-violoncelo e até mulheres- contrabaixo.
Mas como recusam-se a estabelecer aquela íntima relação que o violão oferece; como negam-se a se deixar cantar preferindo tornar-se objeto de solos ou partes orquestrais; como respondem mal ao contato dos dedos para se deixar vibrar, em beneficio de agentes excitantes como arcos e palhetas, serão sempre preteridas, no final, pelas mulheres-violão, que um homem pode, sempre que quer, ter carinhosamente em seus braços e com ela passar horas de maravilhoso isolamento, sem necessidade, seja de tê-la em posições pouco cristãs, como acontece com os violoncelos, seja de estar obrigatoriamente de pé diante delas, como se dá com os contrabaixos.
Mesmo uma mulher-bandolim (vale dizer: um bandolim), se não encontrar um Jacob pela frente, está roubada. Sua voz é por demais estrídula para que se a suporte além de meia hora. E é nisso que a guitarra, ou violão (vale dizer: a mulher-violão), leva todas as vantagens. Nas mãos de um Segovia, de um Barrios, de um Sanz de la Mazza, de um Bonfá, de um Baden Powell, pode brilhar tão bem em sociedade quanto um violino nas mãos de um Oistrakh ou um violoncelo nas mãos de um Casals. Enquanto que aqueles instrumentos dificilmente poderão atingir a pungência ou a bossa peculiares que um violão pode ter, quer tocado canhestramente por um Jayme Ovalle ou um Manuel Bandeira, quer "passado na cara" por um João Gilberto ou mesmo o crioulo Zé-com-Fome, da Favela do Esqueleto.
Divino, delicioso instrumento que se casa tão bem com o amor e tudo o que, nos instantes mais belos da natureza, induz ao maravilhoso abandono! E não é à toa que um dos seus mais antigos ascendentes se chama viola d'amore, como a prenunciar o doce fenômeno de tantos corações diariamente feridos pelo melodioso acento de suas cordas... Até na maneira de ser tocado - contra o peito - lembra a mulher que se aninha nos braços do seu amado e, sem dizer-lhe nada, parece suplicar com beijos e carinhos que ele a tome toda, faça-a vibrar no mais fundo de si mesma, e a ame acima de tudo, pois do contrário ela não poderá ser nunca totalmente sua.
Ponha-se num céu alto uma Lua tranqüila. Pede ela um contrabaixo? Nunca! Um violoncelo? Talvez, mas só se por trás dele houvesse um Casals. Um bandolim? Nem por sombra! Um bandolim, com seu tremolos, lhe perturbaria o luminoso êxtase. E o que pede então (direis) uma Lua tranqüila num céu alto? E eu vos responderei: um violão. Pois dentre os instrumentos musicais criados pela mão do homem, só o violão é capaz de ouvir e de entender a Lua.