23 novembro, 2008



Pois é... a coisa aqui parece que está começando a ficar mais agitada. Isso é ótimo!
Sexta eu acordei disposto a ir ao castelo de São Jorge. Fiz o que tinha que fazer de manhã e saí daqui depois de almoçar. Peguei o barquinho até Lisboa e fui pra praça do comércio pegar o elétrico (bonde) pra subir até o castelo. Legal pacas andar de bonde!
Pra chegar até lá eu desci no Largo das Portas do Sol, uma das antigas portas da cidade. Ali tem uma esplanada que nos dá uma linda visão do bairro da Alfama e do Rio Tejo. E uma bela estátua de São Vicente. Perto de lá tb tem a igreja de Santa Luzia que tem uma de suas paredes decoradas com azulejos do século XVII e claro, o miradouro de Santa Luzia onde vc pode curtir uma vista do Tejo e os telhados de Alfama. Como Lisboa foi construída em cima de sete colinas, o que não falta por aqui é ladeira e esses miradouros, que são muito mais lindos quando vc precisa descansar e ainda de brinde tem vistas lindas da cidade. Queria ir até a Sé, mas estava fechada.
Segui as placas e entrei em umas ruelas que me levaram ao Castelo. Na chegada já comecei a curtir meu passeio. As altas paredes de pedra me deram as boas vindas. No meio, a porta de São Jorge, por onde se entra lá. Tudo muito trabalhado. Lá tem uma série de ruas onde se pode passear, mas a minha vontade de entrar no castelo era tanta que nem vi o guichê onde se vendiam as entradas. Fui até a porta e voltei hehhe. Comprei meu ingresso e lá fui eu! Lá em cima a vista da cidade vai se tornando mais bonita a cada olhada. Lá dentro tem uma exposição multimídia que recria a Lisboa do século XVI, mas estava fechada pra reforma. Um restaurante foi feito numa parte da antiga residência real. Passei a pontezinha que dá acesso ao castelo, propriamente dito. Fui atrás da Torre de Ulisses, pra desvendar outra dúvida do camarada Saulo. E pra alegria dele, sim, o tal prato existe! Mas tem um detalhe. Não é mais beeeem como era antes.
Conta a lenda que Ulisses fundou a cidade de Lisboa. É na torre que leva seu nome, onde em outros tempos se guardou o tesouro real, que está instalado o periscópio, um sistema ótico inventado por Leonardo da Vinci no século XVI, único existente em Portugal, que permitia observar a cidade a 360 graus em tempo real. Mas hoje o que faz esse trabalho é uma projeção feita de meia em meia hora para os visitantes, mas é interessante saber que o troço realmente existiu um dia.
Agora, diga-se de passagem... morar num castelo não devia ser fácil! Trabalhar como guarda então, menos ainda! Caraca! Uns degraus imensos! Subir aquilo é tarefa pra poucos mesmo. Mas vale muito a pena. Por cima das muralhas temos as vistas mais fantásticas da cidade! O castelo foi construído na colina mais alta de Lisboa e na área de mais difícil acesso do topo dessa colina. Os caras não brincavam não. Suas 11 torres e grandes muralhas nos dão as condições pra apreciar a vista de todos os cantos da cidade. Os vestígios mais antigos levam ao século VI a.C. Com testemunhos fenícios, romanos e muçulmanos. Mas a existência de um castelo propriamente dito, data do século X – XI, época em que Lisboa era uma importante cidade portuária muçulmana. Em 1147, D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal conquista o castelo e a cidade. De meados do século XVI, o castelo conhece o seu período áureo. É aqui que Vasco da Gama é recebido por D. Manuel depois de regressar da Índia, aqui também foi representada a primeira peça de teatro português, o Auto do Vaqueiro, de Gil Vicente, por ocasião do nascimento do futuro rei D. João III.
Depois do terremoto de 1755 as muralhas do castelo permaneceram em ruínas até 1938 quando Salazar iniciou uma renovação, acrescentando jardins. O castelo atual permite passeios agradáveis e vistas fantásticas.
Eu pelo menos, adorei!

A noite de Lisboa
Saí do Castelo e fui conhecer o pessoal do Couch Surfing! Que bacana! Pessoas da melhor qualidade. Provei a tal da Ginjinha, um licor de Ginja, que é uma cereja. Bem gostoso. Depois fomos parar numa festa mucholoka. Quando a festa miou, fomos atrás de outra. Paramos numa rua onde haviam um monte de casas funcionando e ficamos lá em pé batendo papo (eu pescando palavras no inglês da galera) rindo e tirando onda. Daí amanheceu e lá fui eu de volta pro barquinho hehehehe.

Um comentário:

Cristina disse...

Fico feliz que aprecies a minha cidade vista do Castelo. É realmente linda e tem uma luz única. Estou a adorar os teus textos.
:**
Cristina ;)